quarta-feira, 8 de junho de 2016

O exemplo de Muhammad Ali

Morreu um gigante do século XX e de todos os tempos. O Planeta Terra ficou mais triste, mais pobre e mais medíocre com a partida nesta sexta-feira (03/06), de Muhammad Ali, o homem que, sozinho, desafiou o Exército mais poderoso da Terra, o Exército americano, dizendo “Não” e negando-se a ir à Guerra do Vietnã.

“Não tenho nada contra nenhum vietcongue. Nenhum vietnamita jamais me chamou de “crioulo”.Por que eles me pediriam para colocar um uniforme e viajar dez mil milhas longe da minha casa para jogar bombas e balas em pessoas marrom enquanto os chamados negros de Louisville são tratados como cachorros?”, foi a resposta direta que deu na recusa ao Exército. Pagou o preço, como acontece com todos os que não abdicam da altivez na vida, sendo suspenso por três anos e perdendo todas as honrarias e a medalha de ouro conquistada nas Olimpíadas de 60, em Roma.

Ali foi um gigante dentro e fora dos ringues, onde venceu 57 lutas, 37 das quais, por nocaute e perdeu apenas cinco, jamais por nocaute. Nunca foi ao chão, nem beijou à lona. Seria humilhação demais para um homem que aprendeu desde pequeno a viver de cabeça erguida.

Um dos gigantes do século XX e de todos os tempos partiu na sexta-feira. Foi se juntar a Nelson Mandela, outro gigante negro da África do Sul, que ensinou ao mundo que há coisas inegociáveis nesse mundo: a altivez, por exemplo, para quem quer ser digno e jamais baixar a cabeça à injustiça e a opressão.

Vai, Muhammad Ali, se juntar aos gigantes que passaram por aqui e deixaram o mundo mais bonito e mais belo, não necessariamente mais justo. Sua vida inspirou e continuará inspirando todos os que querem continuar lutando para tornar a vida também mais digna.

Fonte Afropress
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário