terça-feira, 7 de março de 2017

A chuva cai de nuvens acumuladas

Hoje, nenhuma região no mundo é tão exposta ao iminente perigo de uma guerra nuclear quanto a Península Coreana. Esta região está a beira da guerra muito devidos a exercícios militares conjuntas realizadas entre EUA e seus aliados, há 40 anos no sul da península. Lá são realizados o ensaio geral de uma guerra nuclear com a mobilização de mais de 500 mil soldados. Estes exercícios militares atendem pela denominação de  "Resolve Key", "Foal Eagle", "Ulji Freedom Guardian",  com a clara tentativa de derrubar o socialismo no Norte e privar o direito à soberania de todo o povo coreano.

Nos últimos 60 anos mais de 20.000 provocações militares de todo o tipo foram empregados para intimidar o Norte. O que já implica dizer que já começou a queimar o pavio da segunda guerra coreana.

No ano passado, o exercício militar conjunto "Resolve Key" e "Foal Águia 16", se desenvolveu por  mais de 50 dias a partir de 7 de março. Foram mais de 27 mil soldados norte-americanos, mais de 300.000 sul-coreanas e de outros países satélites, como a França, Nova Zelândia e Austrália, com clara intenção de querer intimidar, com a utilização de porta-aviões atômico,  bombardeiros estratégicos "B-52" e "B-2" aviões de caça stealth "F-22A". Todo este aparato mobilizado pelos imperialistas yankes e seus lacaios tem o potencial de declarar a segunda guerra da Coréia a qualquer momento. Desmascarando o discurso falacioso de que os exercícios tem interesse "defensivo", os agressores falam abertamente em lançar um ataque à Coréia por antecipação. 

Suas manobras são de uma imprudência incomparável.

Um especialista da Academia Militar Russa denunciou: Estados Unidos dizem que as suas manobras militares e exercícios conjuntos destinam-se a "defesa da democracia". Mas os projetos da "conquista de Pyongyang" e "operação magnicídio" com o intuito direto de "eliminar de uma só vez" os dirigentes da Coreia do Norte demostram claramente que real natureza beligerante, longe do discurso de "defesa". O objetivo do exercício é encurralar a Coreia, em um beco sem saída,e forçar o seu "colapso", fazendo a "reunificação" a sua imagem e semelhança.

Assim como a chuva cai de nuvens acumuladas, as diversas e frequentes manobras militares dos EUA na região é um prelúdio do que pode se tornar um guerra a qualquer momento. 

Os especialistas militares comentam que os exercícios conjuntos entre EUA e Coréia do Sul realizados anualmente em dimensões cada vez maiores aumenta a tensão na peninsula coreana e a possibilidade de choque militar, o que constitui em grave ameça para a paz e a instabilidade do noroeste asiático. 

Ninguém deve  se curvar diante da ameaça de uma chantagem. Assim como a Coréia não se curvará. E se preciso for, nosso país tem se preparado para a guerra.

O Estado-Maior Geral do Exercito Popular da Coréia declarou recentemente que pode atacar as principais bases dos provocadores se nos domínios do nossa pátria aparecer um sintoma de agressão, tanto na terra, como no céu e o mar. 

Os Estados Unidos viveram todos estes 67 anos depois da Guerra da Coréia com o desejo de conquistar o mundo. Mas caso irrompa a segunda guerra coreana, o império do mal será varrido da Terra permanentemente.

Pak Song Ok 

FONTE: Revista Corea Hoy, janeiro de 2017. p.46.


Reações:

1 comentários:

  1. Esse Estados Unidos já tá enchendo o saco, não vejo a hora da República Popular Democrática da Coreia lançar umas ogivas na cara desses lixos imperialistas! A China e a Rússia poderiam dar uma força para acabar de vez com os EUA.

    ResponderExcluir