quinta-feira, 27 de abril de 2017

Trabalhadores e Trabalhadoras à Greve Geral dia 28 de Abril!

 O Brasil vive um caos, direitos que a classe trabalhadora conquistou através de muitas lutas estão sendo cortados, empresas e riquezas nacionais estão sendo entregadas para a mão dos grandes capitalistas internacionais. Para o povo além da humilhação do desemprego e do aumento do custo de vida, a repressão esmaga todos os setores que se opõem as medidas antipopulares do atual governo ilegítimo.

Esse cenário tem como origem a maior crise do sistema capitalista das últimas décadas, crise que tem como fundo as orgias financeiras da burguesia, e que a responsabilidade da mesma caiu sob os ombros da classe trabalhadora. E foi justamente para justificar que os trabalhadores (as) paguem essa crise que os ricos derrubaram a presidenta honesta Dilma Rousseff que obteve 54 milhões de votos, sem que essa cometesse nenhum crime, pois as medidas desses golpistas jamais passariam pelo crivo do voto popular, restando para essas elites somente uma solução, um processo de impeachment fraudulento que culminou num golpe de Estado. E em que pontos se sustenta esse golpe que não é somente contra um determiando partido político, ou contra uma Presidenta, mas fundamentalmente contra o povo brasileiro?

O Golpe de Estado consolidado em agosto de 2016, trouxe à tona a plataforma “Ponte Para o Futuro” do presidente ilegítimo Michel Temer, apoiado pelos grandes bancos, pelo imperialismo dos EUA e pelas forças mais retrógradas do país, verdadeiros vendedores e traidores da pátria brasileira. Essa plataforma se consiste na entrega de riquezas nacionais como o Pré-Sal (maior reserva de petróleo do mundo) as empresas estrangeiras, o congelamento de investimentos públicos por 20 anos em áreas fundamentais como a saúde e a educação, além da reforma do ensino médio tirando da grade escolar a obrigatoriedade de disciplinas como História, Filosofia, Artes e Educação Física, promovendo a cruel reforma da previdência colocando como idade mínima de 65 anos para se aposentar. Todas essas medidas visam baratear a mão de obra, e explorar o trabalhador até o seu limite físico, aumentando a pobreza do povo na mesma medida que transfere riqueza para os bancos e para os países mais ricos.

Além disso soma-se o reallity show da Lava Jato em que mídia golpista (principalmente a Rede Globo) em conjunto com o sistema judiciário comprometido com as oligarquias e com o imperialismo, dissolve a soberania nacional, os projetos de desenvolvimento da economia e quebra a indústria brasileira visando reforçar a hegemonia dos EUA sob as economias não só do Brasil, mas de toda a América Latina sob o disfarce da “caça aos corruptos” e da culpa dos governos de Lula e Dilma por toda a corrupção no Brasil desde Pedro Álvares Cabral. Blocos que visavam fortalecer as economias do Terceiro Mundo como o BRICS e o Mercosul são destroçados, estando o Brasil a um passo de entregar até mesmo bases militares para os EUA. Em síntese para as elites o Brasil não tem seu direito de ser um país soberano, mas deve ser condenado a ser um eterno capacho dos países mais ricos do capitalismo.

Assim o Golpe de Estado representado sob a figura ilegítima de Michel Temer passa fundamentalmente por fornecer um Circo que aliene os trabalhadores e justifique o golpe (a Operação Lava-Jato), Pão para os poderosos através do aumento da exploração dos trabalhadores (as), e uma política fascista de extermínio das juventudes que estão confinadas nas periferias e nas favelas, como a jovem Mária Eduarda de apenas de 13 anos fuzilada pela PM, ou dos 5 jovens em Costa Barros que foram fuzilados com 111 tiros quando iam festejar o primeiro emprego de um deles, ambos não foram atitudes isoladas, se o circo é para os incautos e para os paneleiros da camisa da CBF que vão empobrecendo enquanto aplaudem o leão que os engole, e o pão é para os ricos que lucram com mais exploração dos trabalhadores, o pau é para a classe trabalhadora, que sofre o golpe de Estado na pele com mais exploração, repressão e genocídio por parte do Estado.

Tranquilidade para os ricos e para os seus representantes, terror para o povo trabalhador e pobre, e se a classe dominante precisa recuperar o que perdeu na crise quem deve pagar são os que trabalham, a exemplo do sucateamento da vida dos servidores públicos, com salários atrasados e falta de condições de trabalho.

Com isso não há outra solução para a classe trabalhadora que não seja se organizar coletivamente para combater essa plataforma que visa esmagar o povo, é necessário que o povo se organize onde viva, nos bairros, nas favelas, nas associações de moradores, nas igrejas, nos estádios de futebol, nas escolas, nos locais onde produzam cultura. Essa é a proposta dos Comitês de Luta Contra o Neoliberalismo (CLCN), tornar cada reduto onde haja povo uma fortaleza de resistência e organização popular para que os trabalhadores com suas próprias forças decidam seu destino, construam seu futuro com justiça social e soberania popular, um futuro socialista. Os Comitês de Luta Contra o Neoliberalismo e pelo Socialismo tem essa proposta.

Convocamos toda classe trabalhadora a estar nas ruas no dia 28 de Abril construindo a Greve Geral contra as medidas antipopulares do governo golpista de Temer, e contra o Golpe de Estado que visa esmagar as conquistas populares, e lutar para restituir a democracia no país. Cada pequeno gesto é importante para construir a Greve Geral, derrubar o governo ilegítimo de Temer e devolver o mandato da Presidenta honesta Dilma Rousseff, com um plano de emergência que combata a pobreza, o desemprego e anule as medidas dos golpistas, promova uma Constituinte Soberana e abra o processo para alavancar as forças populares.

Converse com vizinhos, parentes, amigos, discuta na sua igreja, escola ou ambiente de trabalho a necessidade da Greve Geral e da luta contra o Golpe! 

 À Greve Geral do Dia 28 de Abril!
Abaixo o Golpe de Estado Neoliberal!
Pela anulação do impeachment e a devolução do mandato de Dilma Rousseff!
Por uma Constituinte Soberana!


Movimento Nacional de Lutas Pelo Socialismo
Juventude 5 de Julho
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário