sábado, 3 de junho de 2017

Repercute publicação do Wikileaks sobre programa de espionagem da CIA

O portal digital Wikileaks, fundado por Julian Assange, publicou mais dados sobre um programa encoberto de ciberespionaje da Agência Central de Inteligência (CIA) de Estados Unidos, o que repercute hoje em Internet.

Como parte do programe Abóbada sete (Vault 7 em inglês) que revela informação secreta sobre o ataque cibernético global da CIA, Wikileaks publicou vários documentos referentes a outro projeto da inteligência estadounidense denominado Pandemic.

Trata-se de um software maligno implantado em um servidor de arquivos que trabalha baixo o sistema operacional Windows de Microsoft e permite instalar um aplicativo no computador de qualquer usuário da rede que aceda a um arquivo compartilhado.

Pandemic permite instalar até 20 programas maliciosos nos computadores dos usuários e pode ser distribuído através de toda a rede local, como empresas, centros educativos e hospitais.

A CIA pretendia esconder o vírus até dentro de 50 anos, segundo denunciou o lugar de filtragens.

A revelação dessa informação faz parte de uma série de sete entregas que Wikileaks iniciou em março, considerada pelo portal digital como a maior publicação de dados de inteligência na história.

A filtragem anteriores mostram o alcance e as ferramentas de hackeo da CIA, seu arsenal de malware (software daninho) contra uma ampla faixa de produtos de companhias estadounidenses e européias como iPhone de Apple, os dispositivos a base de Android de Google ou as Samsung TV, que se convertem em microfones e câmeras encobertos.

FONTE: Prensa Latina
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário