segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Atividades pelo Mês da Consciência Negra chamam a atenção para índices alarmantes de violência

No Mês da Consciência Negra, instituições e movimentos sociais de todo país se preparam para discutirem as questões que envolvem, diretamente, a realidade da situação de discriminação e segregação racial no Brasil, com a finalidade de fortalecer a luta contra o preconceito racial e a inferioridade da classe na sociedade brasileira.

De acordo com a Anistia, em 2012, 56 mil pessoas foram assassinadas no Brasil. Destas, 30 mil eram jovens entre 15 e 29 anos, sendo 77% negros. A maioria desses homicídios foi praticado por armas de fogo e menos de 8% chegaram a ser julgados. Apesar dos altos índices de homicídios de jovens negros, o tema é, em geral, tratado com indiferença pela agenda pública nacional.

Neste domingo, 09 de novembro, a Anistia Internacional lançou, na pista de skates do Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro, a campanha "Jovem Negro Vivo!”, que campanha tem a finalidade de mobilizar a sociedade e romper a indiferença do tratamento que, hoje, é dado aos altos índices de violência contra o povo negro no Brasil. A organização de direitos humanos convida ainda todos a assinarem o manifesto que pede políticas públicas de segurança, educação, saúde, trabalho, entre outras, que contribuam para o enfrentamento das desigualdade no país. O manifesto pode ser assinado no link: https://anistia.org.br/entre-em-acao/peticao/chegadehomicidios/.

O debate sobre desigualdade e racismo no Brasil tem se ampliado, tendo em vista que alguns governos e movimentos que lutam contra a segregação racial buscam levar essa reflexão para as redes formadas pela juventude negra, pois são estes os mais afetados pela violência no país e criminalizados pela sociedade.

No Distrito Federal, o Mês da Consciência Negra foi marcado pela realização do I Encontro Popular da Juventude Negra, na última sexta-feira, 07, que reuniu em torno de 50 jovens negros e negras. O encontro foi um ensaio para o II Encontro ampliado, que acontecerá em setembro de 2015. Na ocasião, foram discutidos temas como genocídio do povo negro, ações afirmativas, gênero e afetividade.

Em São Paulo, todos os anos, entidades do movimento negro e ativistas antiracistas saem às ruas para celebrar a luta de Zumbi e de todos os quilombolas, na Marcha da Consciência Negra de São Paulo. Este ano, no dias 19 e 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, além da Marcha, shows gratuitos pretendem agitar a cidade no feriado em homenagem a Zumbi dos Palmares.

Adaptado de
ADITAL
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário