quinta-feira, 14 de abril de 2016

Quem financia os golpistas?

Os principais movimentos de protestos tem usado muito as redes de comunicação social para chamar os brasileiros a manifestarem-se para o impeachment da presidenta. Os três principais movimentos de oposição são: Movimento Brasil, Estudantes pela Liberdade e Vem pra Rua.

1.O Movimento dos Estudantes pela Liberdade

O movimento dos Estudantes pela Liberdade é um representante da organização americana “Students of Liberty”. Essa organização foi criada nos Estados Unidos. Os jovens participando nela se definem como “libertários”. Eles representam a direita e convidam os líderes do mundo inteiro a unirem-se aos Estados Unidos (estágios para estudantes). Eles referem-se também ao Instituto Cato e ao Senador Rand Paul. (Veja o artigo em inglês : Regime Change in Brazil? Right Wing Protest Movement Funded by US Billionaire Foundations, Training in US). Os Estudantes pela Liberdade estão também envolvidos nas manifestações contra o presidente Maduro da Venezuela, assim também como estiveram presentes na Praça Maidan na Ucrânia, em 2013.

Apesar da organização ter fins não lucrativos ela continua a buscar e a aceitar doações privadas de indivíduos, fundações, e contribuições. No seu primeiro ano a SFL teve 50 000 dólares de rendimentos. Os rendimentos aumentaram chegando a atingir 250 000 dólares no segundo ano, e depois 500 000 dólares no terceiro ano. As despesas foram de 65 % dos rendimentos no primeiro ano, 75 % no segundo ano, e 80 % no terceiro ano.

Ainda mais, o movimento é financiado também por investimentos de banqueiros como Hélio Beltran Filho, que faz parte do Grupo Ultra, um dos maiores conglomerados do país e o qual apoiou o golpe de estado de 1964 no Brasil. (Quem financia os protestos do dia 13?)

John Templeton Foundation – essa deu mais do que um milhão de dólares ao movimento americano Students for Liberty.
Batman, o justiceiro made in USA


2. O Movimento Brasil Livre

O estudante fundador do Movimento Brasil Livre Kim Kataguiri recebeu apoio de organizações como Atlas e “Students for Liberty”. O MBL também recebeu doações de organizações estrangeiras. O movimento MBL, assim como o MEL (ou Students for Liberty) , é financiado em partes por Koch Brothers, magnatas do petróleo americano, e por formações do grupo Atlas, nos Estados Unidos, as quais são financiadas por homens de negócios. A ligação do MBL com a indústria Koch criou rumores de que o movimento contribui para a destabilização da petroleira brasileira Petrobras, ela mesmo estando agora abaixo de acusações de corrupção. May Vivian líder da época da PML afirmou ter recebido recursos da organização Atlas e dos “Students for Liberty”. Essas duas organizações foram criadas nos Estados Unidos e são apoiadas por fundações dos mesmos.

Aqui Kim Kataguiri ao lado do brasileiro mega-homem-de-negócios Jorge Gerdau, presidente do conselho administrativo do Grupo Gerdau.

3. Movimento Vem pra Rua

O movimento Vem pra Rua  é financiado principalmente pela Fundação Estudar de Jorge Paulo Leman, um dos brasileiros mais ricos e proprietário da indústria de cerveja. Ele é também parceiro da brasserie AmBev, assim como também proprietário dos direitos da marca americana de fast food Burger King.

Esse movimento foi criado em setembro de 2013 e passou rapidamente de 20 a 300 000 amigos Facebook.

Esse movimento tenta dar uma imagem de que defende uma ideologia moderna e progressiva mas na realidade esse é um movimento conservativo e neoliberal sendo como são para a privatização da educação e da saúde.

Em resumindo pode-se dizer que os líderes dos acima mencionados movimentos são a favor do neoliberalismo, da privatização dos serviços de saúde e educação assim como da privatização das estatais, como por ex. da petroleira brasileira Petrobras.

O grupo Revoltados On Line “Made in Brazil”

Diz-se aqui que um outro ponto é que não se deseja uma outra Venezuela assim como não se deseja uma “terrorista” como chefe de estado. Marcello Reis, fundador do grupo Revoltados On Line, acha que Dilma detesta o Brasil e que infelizmente ela é uma terrorista que governa o país.(“Dima Rousseff odeia o Brasil, é uma terrorista que infelizmente está no poder nesse país”.) 700 000 pessoas* seguem esse movimento que quer banir o “petismo” ou seja o PT, e o bolivarianismo no Brasil. Esse líder é um exemplo dos que creem que só um golpe de estado militar permitiria por fim a esse governo “corrompido” … e aqui ele dá a posição do militar Jair Bolsonaro, conhecido por suas posições de extrema direita e anti-homosexual, como exemplo.


Adaptado de Global research
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário