domingo, 12 de junho de 2016

Guerras Clandestinas do Século XXI: Uso do "alicate psicológico"

Hoje em dia o campo geopolítico envolve também o uso generalizado de uma guerra contra certas elites nacionais, mesmo aquelas que possam pertencer a países aliados. O estudo aqui apresentado analisa técnicas psicológicas que incluem o uso dos canais informais das ONGs, organizações não governamentais, as quais são conhecidas também abaixo da denominação "armas de organização".

Tem-se que a técnica do uso do "alicate psicológico" coloca sua vítima como num verdadeiro aperto de "alicate", só que no doloroso sentido psicológico. Isso é efetivo porque a vítima no caso de ser alguma forma de governo nacional estará sempre sujeita a pressões políticas e sociais.

Para usar a técnica do "alicate psicológico" de forma efetiva o agressor tem que satisfazer cinco condições específicas.

Ter capacidade de criar um ambiente psicológico sufocante - estressante - de tensão insuportável.

Isso implicaria dois tipos de atividades. O primeiro tipo seria o caso de fazer pressão vindo das camadas superiores da sociedade, o que na prática exigiria a implantação de "agentes de influência" no governo assim também como em organizações suas associadas. Esses agentes de influência tem seu campo de ação no sector de análises e difusão. O segundo tipo de atividades seria o de fazer pressão por assim dizer vindo das camadas sociais subjacentes. Isso seria feito através de criar uma variedade de organizações de carácter legal ou mesmo de um carácter mais obscuro, como se verá mais abaixo abaixo das rúbricas "pressão vinda de cima" e "pressão vindo de baixo". O objetivo desses dois tipos de atividades é o de influenciar a opinião pública, organizar protestos de massas, e coordenar atividades antigovernamentais.

[RESUMINDO: Criar um ambiente sufocante, estressante, de tensão insuportável no país a ser vitimado e tranformado a gosto dos agressores]

[AGENTES SUBVERSIVOS SÃO EMPREGADOS:
a) - ao nivel do governo (pressão vindo de cima)
b) - ao nível social (pressão vindo de baixo)]

2. Implementando o cenário da "pressão vindo de baixo"
O objetivo aqui é o de provocar um descontentamento de massas com o governo constituido. Para isso tenta-se formar a opinião pública - com campanhas de desinformação - ressaltando fracassos do governo, inclusive os criados pelas fantasias férteis dos próprios agressores, que aqui tem um papél de organizadores das turbulências a seguir. Tudo fazem para levar a protestos e desobediência civíl. 

Depois tomam suas medidas para levar o governo atacado a reprimir as demonstrações, subentendido já tornadas em violentas, usando também da violência para reprimi-las, o que no seu turno, irá convencer muitas pessoas a exigir a derrubada do governo, tal como planejado desde o começo.

O governo será colocado num estado de pânico que o leve a tomar decisões precipitadas para estabilizar a situação.

[RESUMINDO:
- atiçar a opinião pública contra o governo provocando descontentamento de massas;
- desencadear protestos e desobediência civíl para levar a repressão violenta;
- levar a derrubada do governo. ]

3. Organizando a "pressão vindo de cima"
Isso inclui usar os denominados "agentes de influência" para fazer lobby ou infiltrar o governo de maneira mais direta de modo que o mesmo tome certas decisões. Esses agentes deverão conseguir duas coisas.

a) - inundar determinados líderes do governo com falsa informação, informações essas que deverão vir de fontes de confiança dos próprios políticos ou oficiais, o que incluiria famíliares e amigos dos mesmos.

b) - imprimir nos membros governamentais a necessidade de adotar as medidas propostas pelos organizadores/agressores.

4. Tomando a decisão política.

Frente a crescente pressão vinda tanto das camadas superioras como adjascentes da sociedade o governo depara-se com o sentido de uma situação de emergência no qual sente que tem que tomar decisões imediatas. Se as decisões tomadas não satisfizerem os organizadores da agressão eles irão aumentar o grau de tensão. Logo que o governo vier a tomar as medidas desejadas virá então a próxima etapa.

5. Retirando a pressão. Quando as medidas tomadas satisfizerem os agressores esses irão trabalhar para que essas sejam larga e entusiasticamente aceitas. A situação deverá voltar ao normal quando os organizadores de tudo isso pararem de agir.

O mecanismo do "alicate psicológico" funciona em muitos níveis. Exige-se forças políticas externas e internas para exercer a pressão necessária ao desejado nível  de tensão. Tudo deverá funcionar concomitantemente em três níveis distintos: ao nível internacional, ao nível da elite nacional interna e doméstica, assim como ao nível regional.

A efetividade da pressão psicológica depende de alguns fatores:.

Fatores psicológicos específicos da população sendo manipulada;

Condições sociais incluindo as expectativas;

O nível de coesão e profissionalismo no trabalho sendo feito ao nível social.

O sistema de três níveis de pressão inclui o seguinte:

a) O sistema oficial das relações internacionais incluindo a totalidade das bi-e-multi relações laterais  e contactos que as organizações estatais das Relações Internacionais mantém e que possam ser úteis para pressionar os mais altos oficiais do país responsáveis pela segurança nacional, incluindo-se aqui os militares, através de notas diplomáticas, declarações oficias, etc.
b) O "sistema transnacional geopolítico pluralista" é constituido por:

- Uma especializada e globalizada rede das fundações internacionais, bancos e organizações humanitárias que dão uma aparência de pluralismo. Essas iniciam a pressão psicológica.
- Multinacionais com representação em muitos países.
- ONGs transnacionais e entidades políticas não oficiais, como a "Comissão Trilateral"
- O crime organizado internacional e o terrorismo.
- Relações pessoais e interpessoais entre altos oficiais governamentais, ou a chamada "rede social das elites internacionais".
c) O globalizado sistema de formação-de-opinião, o qual inclui:
- A mídia internacional e as agências de notícias;
- A mídia nacional e os serviços de notícias para audiências estrangeiras;
- A internet

Esse sistema pode também oferecer apoio para demonstrantes e separatistas assim também como fazer pressão em líderes nacionais, em ajudando a formar internacionalmente uma opinião pública correspondente.

Os grupos domésticos e internos de elites exercem pressão psicológica e incluem:

A elite governante;
O grupo político anti-elite constituido por pessoas que gostariam de pertencer a mesma e mudar as diretivas legais, financeiras e políticas do país;
A sub-elite política, ou grupos secundários dentro da elite, os quais não estão satisfeitos com a sua posição social dentro do grupo e querem ter posições mais importantes dentro do mesmo;

Forças externas são muito mais efetivas quanto a interferir em assuntos internos políticos quando em condições globalizadas. Termos como "economia sem fronteiras" ou "liberdade de imprensa" partem do princípio não só de uma completa liberdade do individuo em relação  as autoridades e a mídia. 

Esses termos referem-se mais é a circunstâncias e organizações mais nebulosas, indefinidas, vagas, indistintas como que em manchas, e por assim dizer fantasmagóricas. Serão essas que irão fornecer apoio moral e financeiro para as anti-e-sub elites nas suas confrontações com as elites constituidas.

Em todo o contexto acima apresentado a mídia tem um papél chave. A sua função é a de garantir que os efeitos do "alicate psicológico"  maximizem a pressão política sobre os líderes governamentais assim como o apoio psicológico a ser dado as massas no campo dos protestos planejados e incensados pelos agressores.

Vladimir Prav

Fonte Pravda

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário