sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Todo apoio às ocupações estudantis!

Nos últimos meses, escolas e universidades estão sendo ocupadas por estudantes secundaristas e universitários  em todo o país. O número de escolas e universidades não param de crescer,   desencadeados pela acachopante aprovação da PEC 241, vulgarmente chamada “PEC dos gastos públicos”. O placar do primeiro (366 x 111) e do segundo turno (359 x 116) demonstram que os golpistas que usurparam o governo legítimo caminham a passos largos para o desmonte neoliberal. Tudo isso regrado por suntuosos jantares, passam o rolo compressor por cima dos  direitos sociais, duramente conquistados. A falta de debates com a sociedade civil e o desprezo  por quem é contrário à proposta demonstra bem o caráter anti-povo dessas medidas. Por isso, o dever de todo o povo pobre é manifestar-se energicamente  contra o golpista Michel Temer e sua camarilha no congresso, denunciando seus desmandos para o restante da sociedade: o rei está nú!

Nesse sentido, as ocupações possuem significado especial. Um dos mais sensiveis legados do governo de centro-esquerda do PT foi o acesso gradual ao ensino superior de milhares de filhos da classe operária, fato improvável alguns anos atrás. Ocupar estes espaços, portanto, constitui em legítimo pólo de resistencia.

A bem da verdade, a democratização do ensino superior está longe de ser o ideal, mas garantiu minimamente uma guinada no perfil daqueles que possuem ensino superior: dos privilegiados representantes das elites economicas e pequena-burguesia, aos filhos de trabalhadores oriundos da periferia e bairros pobres. O que evidencia o caráter perverso e revanchista da classe dominante, que pretende enterrar as conquistas sociais de qualquer maneira.

Por isso é que as elites não pensam duas vezes em unir forças contra o povo e tudo aquilo que o favoreça. A própria PEC 241, eufeministicamente chamada de PEC dos gastos públicos, na verdade é a PEC da morte, pois na prática o congelamento em 20 anos inviabilizará qualquer política de afirmação social neste prazo. A contra-informação burguesa ergueu um “cordão higienico” e isolando as ocupações, boicotando a sociedade do que realmente se passa. Os jornais, rádios e TVs comprometidos com a ideologia dominante fazem de tudo para impedir a verdade e, quando muito, difamam os jovens estudantes que lutam contra o retrocesso.

O Movimento Nacional de Luta Contra o Neoliberalismo e Pelo Socialismo (CLCN) compreende que somente o povo trabalhador pode dá suporte às ocupações de resistência. Aos meios de comunicação burgueses, interessa o silencio e a mentira. Furar o bloqueio comunicacional, a partir de nossos próprios meios, com criatividade revolucionária, informando trabalhadores do que significa o terror das medidas do golpista Michel Temer, isso sim, cabe a todos nós.  

Ousar lutar, ousar vencer!

Movimento Nacional de Luta Contra o Neoliberalismo e Pelo Socialismo
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário