sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

O neoliberalismo atroz e subalterno de nossos dias

Parece que ficam poucas dúvidas de que na Argentina, Brasil, Paraguai e Honduras a política econômica neoliberal de seus atuais governantes está devolvendo a fome e a miséria aos que dessas mazelas foram tirados, como diria o teólogo Leonardo Boff.

As ruas já começam a vibrar, particularmente na Argentina e no Brasil, onde a população sai em manifestações cada vez maiores para protestar contra as medidas neoliberais dos presidentes Mauricio Macri e Michel Temer.

Não é preciso que passe mais tempo para constatar a premente necessidade de cortar a passagem à distopia e levantar um novo muro sobre os alicerces daquela utopia forjada por Hugo Chávez, Néstor Kirchner e Lula, seguida e mantida por Rafael Correa e Evo Morales.

O importante está em levar em conta os erros cometidos para não cair novamente neles e compreender que a conciliação de classes é uma miragem criada pelo capitalismo neoliberal nesta fase de exagerada concentração da riqueza. A realidade crua é que a luta entre elas é permanente ainda que a burguesia se proletarize ou o proletariado se aburguese.

Ascensões ao poder como as de Macri e Temer jamais devem ser consideradas o fim da história, mas estímulo para continuá-la, buscar a unidade e corrigir a falha, pois as forças progressistas têm muita pouca margem para os fracassos. A batalha proposta pela direita é de vida ou morte, como se viu no Brasil com o golpe parlamentar contra Dilma e a caçada a Lula, e assim é necessário assumi-la.

Onde a direita governa reinstala um neoliberalismo selvagem e agressivo para tentar demonstrar que seu círculo zero não ficou desequilibrado pelos governos progressistas e têm inclusive mais força que antes, o que é uma falácia, pois ainda que pareça contraproducente, a volta neoliberal nessas condições é uma demonstração de debilidade.

Apesar de tudo, a esquerda não está derrotada nem acuada como se demonstra na Venezuela, onde a direita não tem conseguido impor a violência e o chavismo se recupera em meio a uma feroz luta de classes e um processo ideológico para resgatar a originalidade e a força de sua cultura e de sua história.

Os Macri, ou os Temer, e alguns mais, têm dado a luz a um sistema de anti-heróis, provavelmente o mais cabal de nossa época, e esse é um eixo central da crise do espírito que se vive especialmente no Brasil e na Argentina.

Um sistema anti-herói com uma bússola moral de falsos valores emocionais opostos àqueles reconhecidos pela sociedade, e seus cabeças vivem como porcas loucas sem se importar com a ordem nem com o caos que geram, fazendo o que em cada momento pensam segundo suas regras e ambições, como monarcas de uma sociedade contaminada por si mesmos, na qual a dignidade humana é uma categoria de quinta para eles.

Os anti-heróis têm um grave problema, é que ao longo de suas vidas não conseguem entender que carecem de essência, que são como um saco vazio, torcido, sem forma nem conteúdo, porque não são heróis nem pensadores, não têm existência histórica, e no fluxo e refluxo desse esgotador trabalho de serem visíveis, cometem barbaridades porque para eles é vale-tudo, e sem aparente peso de consciência.

Suas próprias regras éticas são rompidas quando assim desejam e se lançam a uma vida vulgar, genérica, medíocre ante situações difíceis como as evidências de corrupção com os papéis do Panamá ou de Bahamas, ou escândalos como a Lava Jato que os envolvem.

Mesmo com esse lastro tão negativo armaram vergonhosas montagens como o julgamento parlamentar de Dilma Rousseff ou a campanha de descrédito e ameaças à Cristina Fernández, ou o que fazem agora no Equador contra Rafael Correa, na Bolívia contra Evo ou em El Salvador aos líderes da Frente Farabundo Martí.

Essa crise de espírito não é geral, mas atinente unicamente à autocracia de araque que reina como aqueles répteis que não sabem andar sem fazer barulho. Estes senhores, com seu apetite de grandeza e sua incultura, buscam destruir a utopia e construir uma distopia para erguer sobre os escombros dos sonhos do povo um monumento à petulância, à malversação e à macrocorrupção.

Enquanto procuram engrandecer suas figuras com modos grosseiros, tentam enterrar o culto a próceres da Independência - como Henry Ramos Allup na Venezuela com Bolívar e Chávez - cada vez mais afastados das gerações contemporâneas, e mais invisíveis aos jovens que tentam deformar nas escolas com novos e enganosos currículos, e nas ruas com uma cultura enlatada e consumista a serviço de um neoliberalismo atroz, devastador e subalterno.

Luis Manuel Arce Isaac
Fonte: Prensa Latina
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário