quarta-feira, 31 de maio de 2017

Venezuela: o povo está na rua defendendo Nicolás Maduro

''O povo está na rua defendendo Nicolás'' é o grito que se escuta hoje aqui na capital desde as primeiras horas do dia como resposta às tentativas de grupos opositores de trazer a violência ao centro da cidade.

Desde a saída dos primeiros raios de sol mantêm-se em frente à sede do Ministério Público, ao lado do Ministério de Relações Interiores, Paz e Justiça, na avenida Urdaneta, uma entusiasmada multidão que, entre cantos e vivas ao comandante Hugo Chávez e ao presidente Nicolás Maduro, esperam que grupos opositores se aproximem para 'tomar as ruas'.

Essa foi a apelação lançada ontem pelo governador do estado Miranda, Henrique Capriles, ao desafiar os chavistas e conclamar seus seguidores a 'não abandonar as ruas'.

'Vamos responder no dia de amanhã nas ruas de nosso país, o governo deve entender que deve ouvir o povo da Venezuela (...) Quem puder chegar direto à porta da sede (do Ministério de Relações Interiores) chegue direto', disse Capriles, mas, passado o meio-dia nem sombra dos grupos da oposição.

Capriles também realizou um chamado ao povo para que coloquem a bandeira da Venezuela nas varandas e janelas de seus lares como forma de 'protesto e resgate da democracia', mas nem uma bandeira branca, por citar um exemplo do símbolo da paz, aparece nas varandas e janelas desta central avenida.

Em frente ao Ministério Público, dezenas de jovens ao compasso de tambores, instrumentos de percussão, chaves e 'guayos' não param de tocar e dançar, manifestando que esperam a oposição em um ambiente no qual está ausente a violência que caracteriza os piquetes e concentrações da chamada Mesa da Unidade Democrática (MUD).

Ao final, ao fio das 14:00 horas local, uma grande marcha do povo, chavistas e não-chavista, se somou à alegria para caminhar para o oeste, para Miraflores, para expressar seu apoio ao governo constitucional e à convocação da Assembléia Nacional Constituinte.

Para amanhã está prevista outra mobilização dos grupos opositores, segundo disse Capriles, o que supostamente faz parte da estratégia contra o governo constitucional do presidente Maduro, liderada pelos setores mais radicais da MUD e pela Conferência Episcopal Venezuelana.

Enquanto isto ocorre, as corporações midiáticas mundiais conseguiram colocar para a opinião pública internacional um perverso relato que acusa o governo bolivariano de um brutal violador dos direitos humanos, quando a verdade é que contra a Venezuela se executa um plano golpista.

A esta hora, a oposição brilha por sua ausência e dificilmente será capaz de enfrentar o desafio da maioria dos que marcham em apoio ao governo.

FONTE: Prensa Latina
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário